junho 24, 2010

HORIZONTE(S)

Todo horizonte é um ponto de fuga
Nem toda fuga depende de um ponto
Todo horizonte é uma linha de encontro
Mesmo que seja destino das despedidas
Todo horizonte é um limite, sinuoso e paradoxo
Ponto de partida para além
Todo horizonte é um sonho
Horizontal é o sono e o sexo
Todo horizonte é um funil
Torna pequenas as coisas que se afastam de mim
Escoa a realidade para a imaginação
Todo horizonte é belo? Não sei, aprendi que sim
Todo horizonte é uma perspectiva
Nem toda perspectiva é um horizonte
Nem toda perspectiva gera expectativa
Nem toda expectativa aponta um horizonte
Toda perspectiva é um ponto de vista
E todo horizonte é uma vista de um ponto de vista
Uma vista de um ponto
Um ponto
Uma vista
O horizonte é uma vista
Uma vista de um ponto de vista
Linha que tende ao infinito circular
Meia parábola que não soube contar
Quadro que não posso tocar
Horizonte é o meio do jornal aberto
Espaço em branco entre realidades
Onde posso pensar o que quero
Já que não me faltam vontades.



Fev/07

Nenhum comentário:

Postar um comentário